Posts com Tag ‘Informação’

por Marcus Rocha

Esta eu li hoje no AdNews: Jornais têm o pior mês do ano; circulação cai 6,7%.

Segundo a mesma notícia, a média da queda neste ano de 2009 é de 3,8%. Ou seja, a venda de exemplares impressos dos jornais têm caído de forma expressiva.

Segundo os “especialistas” na área consultados na matéria, “os números negativos refletem a crise econômica mundial”. Bem, acho que no mínimo essa declaração reflete uma análise incompleta, não levando em conta o crescimento da população com acesso à internet, além de outras mídias que concorrem com os jornais tradicionais, tais como Portais de notícias e os próprios Blogs.

Tudo bem, é possível que ainda haja espaço para o aumento da circulação de jornais no Brasil, já que uma parcela ínfima da população brasileira compra os periódicos. Prova disso é que há jornais cuja venda de exemplares cresceu, como o Lance e o Zero Hora.

Enfim, somando todos esses fatores, a tendência na minha visão é não esperar nenhum crescimento acentuado na venda de exemplares impressos dos jornais. Pode até haver um certo crescimento, mas com a propagação da informação na internet, com a possibilidade de acesso móvel cada vez mais fácil, parece que certamente o meio eletrônico irá dominar a distribuição de informações. Ou seja, gastamos menos papel e temos mais informação. As árvores agradecem 🙂

Por Carine Biscaro

sis

Atualmente faço parte do projeto SIS (Sistema de inteligência Setorial) do Sebrae de SC. É um projeto inovador, em nível nacional e que é conduzido pela empresa onde trabalho, a Knowtec,
empresa com expertise em Inteligência Competitiva (IC).

O que me deixou muito motivada essa semana foi ver uma ação concretizada. E esta ação era levantar um case de sucesso, dentre alguns empresários, que haviam aplicado IC em seu trabalho e também passar o case ao grupo de pesquisadoras do qual faço parte, afim de motivar a equipe (demonstrar a importância do trabalho de pesquisa para o cliente).

 Confesso que no início fiquei apreensiva se conseguiríamos atingir os resultados ao qual nos propomos.
Achei que o resultado seria mais abstrato, o que para minha surpresa não foi. Entrevistamos o empresário e nas colocações dele, percebemos que ele entendeu o espírito da coisa e já vem aplicando sistematicamente a IC em suas tomadas de decisões.

 Também com relação a equipe de pesquisadores, ficou visível que ao ouvirem a entrevista em audio do
empresário os olhinhos brilharam, foi emocionante ver todos se sentindo parte de um bem maior. Valeu até
um post no Blog da pesquisadora Maria Carolina.

Para ficar mais “palpável” o que estou falando, deixo a entrevista postada no Portal SIS esta semana:

 
Em tempo de crise, participante do SIS em Coronel Freitas lança novos produtos e aumenta faturamento
Data: 20/05/2009
Autor: Talita Garcia
 

buffon

“O SIS é uma das principais vantagens oferecidas pelo APL”, afirma dono da Industrial Buffon, que usou informações de relatório para tomar decisões que impulsionaram seu negócio.

 
Quando o micro empresário de móveis Etelmir Buffon pensou em fabricar um produto diferenciado em Coronel Freitas, no oeste de Santa Catarina – empolgado com as novidades que vira numa feira em São Paulo –  deparou-se com uma dificuldade que o deixou de mãos atadas por mais de três meses: falta de informação. O que Etelmir precisava era razoavelmente simples. Ele queria localizar o nome de alguns fornecedores de junco sintético – fibra que se mostra mais resistente que as naturais às ações do tempo e do clima, usada na confecção de móveis e também, por exemplo, em detalhes de objetos de decoração. “Aqui na nossa região não conheço ninguém que fabrica junco. Levei amostras que trouxe da feira até alguns fornecedores de matéria-prima e ninguém conhecia aquele produto. Cheguei a ligar para pessoas que produziam esse material, mas eles não vendiam para fábricas, apenas para seus próprios consumidores” – conta Buffon, que há dezesseis anos se dedica à produção de mobiliário. Em busca de respostas e na tentativa de solucionar o problema, o empresário viajou a Pinhalzinho, cidade próxima a São Miguel do Oeste, onde participou de uma reunião do APL local para apresentação do Sistema de Inteligência Competitiva Setorial (SIS) do Sebrae/SC. O termo “inteligência competitiva”, naquele momento, era novo para Buffon, mas ele percebeu ali a chance real de encontrar as informações que necessitava e que o possibilitariam, pouco tempo mais tarde, lançar em Coronel Freitas, em plena crise financeira, cadeiras e mesas com detalhes em junco, diferenciadas, inovadoras e competitivas – e lucrar com isso.

 
O aumento da competitividade dos empresários é um dos objetivos da equipe que comanda o SIS, lançado em 2007 e considerado neste ano um dos três melhores projetos de IC do país pela Associação Brasileira dos Analistas de Inteligência Competitiva (ABRAIC). Gestor estadual do projeto, Douglas Luís Três explica que o intuito do Sebrae/SC com esse trabalho é incentivar o uso da inteligência competitiva (IC) como um incremento inovador à gestão das micro e pequenas empresas inseridas nos APLs foco do projeto: Móveis de Madeira (Pinhalzinho), Mel (Videira), Calçados Femininos (São J. Batista) e Vestuários (Criciúma). “IC significa saber antes. Se sabe antes de fatores que podem influenciar seus negócios, o empresário se adianta à concorrência e conquista vantagens. Decide primeiro o que precisa fazer, porque tem informações tratadas e estratégicas para isso” – explica Douglas. Segundo ele, o SIS deve ser visto como um auxiliar para os empresários no processo decisório, fundamental para o sucesso de uma empresa. 

 
Tomar decisões foi o que fez Buffon depois da visita a Pinhalzinho. E ele não tomou apenas uma decisão, mas uma série delas. A primeira medida foi providenciar um cadastro no portal do SIS na internet e solicitar à equipe de pesquisadores e analistas do projeto um relatório particular (chamado, em linguagem técnica, de ad hoc), com os nomes de alguns estabelecimentos que vendessem a matéria-prima que ele queria, o junco sintético. “Em quinze dias eu recebi um documento com todas as informações que necessitava. Escolhi cinco fornecedores, solicitei amostras e optei por comprar o junco de um deles, do Rio de Janeiro. Depois disso, pude dar sequencia à fabricação dos produtos que eu queria fazer” – lembra o empresário. A Buffon Industrial Ltda. passou a produzir então duas novidades na região: cadeiras com encosto de junco sintético e mesas com acabamentos feitos em fibra, nas emendas entre os pés e a tampa superior. O empresário confeccionou o mostruário, levou protótipos para avaliação em lojas e lançou os produtos no mercado.
Para o empresário, a crise econômica tem impulsionado a procura, pelos donos de lojas, por produtos que chamem a atenção do público com algum diferencial. Com isso, os conjuntos de mesas e cadeiras que está vendendo aos lojistas têm aumentado o faturamento da sua empresa, que tem clientes em toda Santa Catarina, parte do Rio Grande do Sul e Sudoeste do Paraná. Hoje, segundo Buffon, 50% de tudo o que vende é confeccionado com junco. A outra metade do lucro vem dos estofados – que representavam antes quase o total de vendas da empresa.

 

 Desafios e participação

 

O SIS é gratuito, usa ferramentas e tecnologia de ponta e já trouxe resultados e vantagens competitivas para diversos micro e pequenos empresários em Santa Catarina. Mesmo assim, a sensibilização de novos participantes e a conscientização de que o uso da IC precisa ser um processo continuo – e não esporádico – ainda é um desafio para quem está por trás de todo o processo de coleta, análise e disseminação de informações. Para o assessor de planejamento do Sebrae/SC, Marcondes da Silva Cândido, a principal tarefa pendente para a equipe do SIS é a incorporação definitiva da inteligência competitiva no cotidiano das empresas como instrumento essencial à tomada de decisão. “Uma única informação estratégica não garante o diferencial competitivo de uma empresa inovadora, que precisará usar continuamente a inteligência competitiva em sua gestão de negócios para ter sucesso”, diz Cândido. 

Dentre aqueles que já se deram conta da importância e do impacto que uma informação qualificada pode provocar, está Etelmir Buffon. “Considero o SIS uma das principais vantagens oferecidas pelo APL. Ainda podemos utilizá-lo muito mais, à medida em que solicitamos novas pesquisas”, diz o empresário de Coronel Freitas, que prepara o lançamento de outros produtos fabricados com junco sintético e ainda providenciou a remodelagem dos berços que a Buffon Industrial produz, depois receber do SIS um relatório com as normas técnicas que regulam a produção desses móveis no Brasil.  “Vamos eliminar o que temos feito de errado e lançar berços que estejam dentro das normas, assim evitamos acidentes e problemas futuros”, afirma. “Não adiantaria de nada recebermos informações do SIS e não aplicá-las posteriormente. Faremos as adequações necessárias e depois solicitaremos novas informações”.